economiacapixaba

Posts Tagged ‘Grande Vitória’

Os impactos da concentração produtiva no Espírito Santo

In Desenvolvimento Capixaba, Interiorização, Urbanização on 19/03/2012 at 11:34

Por: André da Silva Mendes (bolsista de iniciação científica do GPIDECA)

A crise econômica verificada no Espírito Santo entre os anos de 1950 e 1960 põe em evidência o aniquilamento do modelo econômico então vigente na economia capixaba, que por quase um século esteve baseada na atividade cafeeira. Esse aniquilamento não é só produto de reveses nos preços do café, mas é, sobretudo, uma consequência tardia de uma mudança compulsória a que esteve sujeita a economia do Espírito Santo ante ao processo de industrialização brasileiro em andamento.
Entre as décadas de 1940 e 1960 o Espírito Santo teve seu plantio de café expandido em 74% ; o favorecimento disso se deu por conta das altas nos preços até 1954. Os reveses se inciaram em 1955, quando o setor cafeeiro passou a experimentar amargos rendimentos que logo se propagaram nos seus indicadores econômicos. Em 1950, o café diretamente gerava 32,4% da renda interna no Espírito Santo; em 1960 sua participação caiu para 22,6%. Quando se considera sua participação na indústria de transformação , que em 1949 era de 60,9%; em 1959 diminui para 16,6%. (ROCHA & MORANDI, 1991, p. 48)

Leia o resto deste post »

Urbanização acelerada da Grande Vitória: em busca de uma agenda contemporânea

In Desenvolvimento Capixaba on 27/02/2012 at 10:48

Arlindo Villaschi

A passagem de uma formação rural-agroexportadora para uma de cunho urbano-industrial no Espírito Santo teve alguns pontos que merecem destaque.  Em primeiro lugar porque teve como motivadora primeira as crises do café ao longo dos anos 1950/60 que expulsaram grandes contingentes populacionais do interior para outros estados e parte para a Grande Vitória. Como resultado desse processo, de uma situação em 1960 quando mais de 2/3 da população era rural, em 1970 mais de 45% da população  capixaba habitava suas áreas urbanas.

Como a resposta encontrada pelos governantes para a crise foi a industrialização retardatária, e essa se concentrou majoritariamente nos principais centros urbanos, o Censo de 1980 já apontava o Espírito Santo com mais de 60% de sua população vivendoem cidades.  Namedida em que a industrialização se acelerou (fosse através de processos de substituição de importação/diversificação de exportações através de micro, pequenas e médias empresas; fosse via a implantação dos grandes projetos de impacto), o crescimento urbano passou a se concentrar majoritariamente na Grande Vitória.  Essa, que em 1960 abrigava pouco mais de 16% da população estadual, em 1991 já respondia por mais de 40% da população capixaba.

Leia o resto deste post »